-->

A ladroagem continua

 ●  28.11.14   

Continuam os roubos nas nossas carteiras quando nos vamos abastecer de combustível.

O barril de petróleo baixou hoje para uns apreciáveis 71,14 dólares o barril, e por mais que percorramos os postos de abastecimento, não se vê repercutida essa baixa, como é hábito.
Se fosse ao contrário, era no minuto seguinte!

Vamos de seguida ver a evolução nos preços do barril desde Maio deste ano;

01/05 - 109,41
01/08 - 103,11
01/09 - 94,75
10/10 - 88,65
Hoje  - 71,14

Em Maio tínhamos o gasóleo a 1,399 o litro, em Outubro 1,349 e ontem vi nos postos de referência, esse precioso combustível a 1,319.

Estão ou não estão a gozar com o pagode?
Desde 1 de Maio até hoje, os preços do crude baixaram 38,27 o barril e o pobre do Zé apenas beneficiou de 8 cêntimos o litro?
Que anda o regulador a fazer?
Não há ninguém do governo que chame esse "dorminhoco", e os Presidentes das petrolíferas que operam no nosso mercado e os ponham na ordem?
Será que está aqui mais um caso para o Super-Juiz Carlos Alexandre resolver?
Ver Mais ►

Iceberg seguido de tsunami

  

Vamos ver...


Ver Mais ►

A Detenção de Sócrates por Caius Alexandre (Roma, ano III DC)

  

A detenção do cidadão Sócrates pelo juiz Caius Alexandre (Roma, ano III D.C. - Depois da Crise)


Vídeo: Isabel Botelho Moniz
----------------
Enquanto o inquilino da cela 44 da Cadeia de Évora vai preparando a sua defesa e recebe os seus companheiros de muitas e largas estradas, rotundas, avenidas, aeroportos, TGVs, PPPs, parques escolares, campos de golf, barragens, swaps, auto-estradas (faltou mais uma para o Porto...) e muitos outros benefícios que o Zé povinho agradece e está a pagar de cara alegre, convém rir-mo-nos um pouco para desanuviar... Foi uma semana e pêras!
Viva o cante Alentejano!
Ver Mais ►

«Sócrates tentou-nos aliciar, comprar e silenciar» Octávio Ribeiro

 ●  27.11.14   



"Sócrates não é um democrata, apesar de estar no PS, o olhar dele sobre a sociedade, não é o olhar de um democrata!" (...) "Primeiro, tentou-nos aliciar, quando viu que não conseguia tentou comprar o órgão de Comunicação Social e a seguir tentou tudo para o silenciar!" Octávio Ribeiro, director do Correio da Manhã
Ver Mais ►

Quanto custam os sindicatos aos contribuintes? Quem controla?

  

Investigação mostra que os Sindicatos custam milhões de euros e que NÃO EXISTE FISCALIZAÇÃO SOBRE A VERACIDADE DO NRº DE ASSOCIADOS.
Sindicatos e patrões recebem milhões do Estado.
O jornal i fez as contas e revela que por ano as confederações patronais e as centrais sindicais com assento na Concertação Social recebem cerca de 500 mil euros do Orçamento do Estado, através do Conselho Económico e Social (CES). Mas a este valor ainda acrescem mais 551 mil euros de despesas com pessoal do próprio CES e cerca de 90 milhões destinados aos centros protocolares e participação na concertação social.
(Zita Paiva)


 
Ver Mais ►

Soares esperava que Portugal tratasse Sócrates com a mesma impunidade que o trata a ele!

  
Mário Soares e a prisão preventiva
Não houve um único jornalista que fosse capaz de dizer simplesmente, “Dr. Mário Soares, o senhor está esgotado. Deixe-me acompanhá-lo ao carro.” E acabasse com aquele espectáculo lamentável.


1. Tal como José Manuel Fernandes, também estou a quebrar uma promessa que tinha feito: não escrever sobre Mário Soares. Mas vi hoje ao fim do dia as imagens da visita que fez a Sócrates e fiquei impressionado. O que me impressionou não foram as suas declarações – nada surpreendentes, de resto. Fiquei espantado com as imagens. Vi um senhor de idade, cansado e confuso a ser assaltado pelos jornalistas. Como foi possível que aquilo acontecesse? Não há alguém que proteja, que preserve Mário Soares? Tem todo o direito em visitar Sócrates, mas não podem permitir que se exponha daquela maneira. Mais do que uma vez, julguei que pudesse ter um ataque em directo na televisão. E não houve um único jornalista que fosse capaz de dizer simplesmente, “Dr. Mário Soares, o senhor está esgotado. Deixe-me acompanhá-lo ao carro.” E acabasse com aquele espetáculo lamentável. As imagens de Évora são mais impressionantes do que a prisão de Sócrates no aeroporto.

Quanto às declarações de Soares, será que alguém esperava alguma coisa diferente? Tal como disse Helena Matos em relação a Sócrates, a culpa é nossa. Portugal permitiu que Mário Soares se julgasse imune a todo o tipo de declarações. Desde que saiu de Belém, tem dito e feito o que quer, e a reação generalizada – sobretudo dos seus apoiantes – tem sido, “é o Dr. Mário Soares…”. Discordam na maioria das vezes, mas nada fazem para contrariar. Esta atitude diz muito sobre a nossa cultura política. 40 anos depois do 25 de Abril, continuamos a ser um país com dois pesos e duas medidas, onde quem tem poder se julga, e é tratado como se estivesse acima dos critérios de julgamento – políticos, éticos e, pelos vistos, legais – que se aplicam ao comum dos mortais. Os suspeitos do caso dos “Vistos Dourados” foram presos na semana passada. Alguém se indignou na altura com as imagens na televisão, ou com as horas de interrogatório (ou de espera), ou com as prisões preventivas? Ninguém. Pelo contrário, quase todos elogiaram a justiça. Uma semana depois, muitos dos que estiveram ao lado das autoridades judiciais, passaram a atacar a justiça. É triste e preocupante, mas muitos portugueses continuam a subordinar-se ao poder e aos poderosos. Mesmo quando são eles as maiores vítimas de quem abusou do poder.

No fundo, Soares apenas esperava que Portugal tratasse Sócrates com a mesma impunidade que o trata a ele. É absolutamente natural. Como isso não aconteceu, Soares acha que Sócrates foi “vítima” de um “poder de extrema-direita”. Foi assim mostrar a sua “solidariedade” a uma “camarada”. No fundo, Soares voltou aos dias das visitas aos presos políticos. Admiram-se? Não deviam. Foi o regime que criámos.

2. Li no aqui Observador que Sócrates pode ficar em prisão preventiva até três anos. É inaceitável que se possa ficar preso tanto tempo sem uma condenação. E isto aplica-se a todos. A liberdade é um valor demasiado precioso para ser tratado desta maneira. Em segundo lugar, e corro o risco de ser acusado de defender um tratamento especial a quem ocupou o poder, mas o país não aguentaria ver um antigo PM na prisão durante anos sem ser condenado ou absolvido. Seria muito perigoso politicamente. Desejo que as autoridades judicias entendam isso e sejam rápidas a concluir o processo. O país precisa de saber rapidamente se Sócrates é inocente ou se cometeu crimes como PM.
João Marques de Almeida, Observatório
Ver Mais ►

Ricardo Salgado alvo de buscas

  


Megaoperação da PJ que está a decorrer neste momento com cerca de 200 inspectores no terreno.
Ver Mais ►

Espantosa Natureza - full HD

  

Amazing Nature full HD 1080p
Ver Mais ►

A Encruzilhada do Partido Socialista - Henrique Neto

  
Por Henrique Neto 
Deputado na AR pelo Partido Socialista, 1995-1999.

A Encruzilhada do Partido Socialista 

Na manhã de sábado passado recebi, como presumo todos os militantes socialistas, uma mensagem do novo Secretario Geral do PS António Costa, iniciada como segue: “Caras e Caros Camaradas, Estamos todos chocados com a notícia da detenção de José Sócrates”. A mensagem está muito bem escrita, mas confesso que não fiquei chocado e há muitos anos que esperava os acontecimentos do passado fim de semana, na convicção de que José Sócrates representava uma bomba relógio para o prestígio do PS e para a qualidade da democracia portuguesa. Escrevi-o vezes sem conta, na tentativa de chamar à razão os socialistas e com o objectivo de defender o PS do opróbrio público e de proteger o regime democrático. Não por quaisquer razões de inimizade pessoal.

Por isso mesmo, não retiro qualquer satisfação pessoal com a detenção de José Sócrates, que é inocente até prova em contrário, deixando que a justiça portuguesa decida de forma justa e de acordo com os factos encontrados na investigação, se for esse o caso. Todavia, já não faço o mesmo relativamente ao julgamento político dos governos de José Sócrates e daqueles que, de forma indigente, o seguiram em muitas das decisões erradas que conduziram Portugal à ruína e ao empobrecimento dos portugueses. Também por isso é agora tempo de deixar a justiça fazer o seu trabalho.

Ainda relativamente ao PS, António Costa vai ter a semana mais decisiva da sua vida, em que está em jogo o futuro do Partido Socialista e, por extensão, o futuro da democracia portuguesa. A alternativa é simples: ou António Costa compreende que os partidos políticos portugueses se encontram à beira do abismo, no ponto mais baixo da tolerância pública e inicia uma profunda reforma do PS, começando por limpar casa no próximo congresso, ou segue em frente com os mesmos que conduziram Portugal à falência e dentro de algum tempo rebobinaremos o mesmo filme de tráfico de influências e de promiscuidade entre a política e os negócios, colocando com isso em risco o próprio regime democrático.

Raramente na nossa história moderna existiu uma oportunidade tão relevante e tão clara de mudar a política portuguesa, de enobrecer o PS e de abrir as portas do partido a uma nova época de progresso e de desenvolvimento, através da escolha no próximo Congresso dos melhores, dos mais honrados e dos mais devotados ao bem público. Bastará para isso compreender os desafios que se colocam ao nosso Pais na actual conjuntura e de privilegiar e democracia e a ética na acção política, colocando a defesa dos interesses gerais da comunidade acima de todas as outras considerações.

O Partido Socialista não pode, sob a capa da chamada unidade de todos os socialistas, continuar a ser o partido dos interesses, da distribuição de benesses e de mordomias e do enriquecimento ilícito de alguns dos seus militantes e promotores. É tempo de mudança e se António Costa e os militantes socialistas não o compreenderem, temo que seja o futuro da democracia portuguesa que está em jogo, Estas foram algumas das razões porque apoiei António José Seguro no recente debate politico, o que não impede que tenha a esperança de ver o recém eleito Secretario Geral do PS ter aquela coragem e visão que, em momentos decisivos, marcam os grandes homens.

24-11-2014
Originalmente publicado no Jornal da Marinha
Ver Mais ►

"Isto é tudo malandrice" Mário Soares

 ●  26.11.14   


f
Mário Soares disse, esta quarta-feira, à saída do Estabelecimento Prisional do Évora, que o ex-primeiro-ministro é "alvo de uma infâmia". "É um homem digno", sublinhou Soares, visivelmente exaltado. O socialista disse ainda que têm feito uma campanha contra um "primeiro-ministro exemplar", que "ainda nem foi julgado.

Sócrates foi um PM exemplar!!?
Ver Mais ►

Suspendam-se estes pagamentos. E já! - Paulo Morias

  

No Orçamento de Estado de 2015 estarão consignados milhares de milhões ao pagamento de rendas de parcerias público-privadas. Milhares de milhões, porque o estado paga o que não deve. Alguns contratos são nulos e contêm anexos confidenciais; outros são irregulares, porque não prevêem responsabilidades plurianuais do estado, como consagra a Lei de Enquadramento Orçamental; e outros há cujos concursos não foram regularmente lançados, porque não foi realizado o "comparador público" a que a Lei obrigava. Suspendam-se estes pagamentos. E já!

Paulo Morais
Ver Mais ►

Lenda da Gardunha

  

A nossa lenda começa quando Idanha-a-Velha (1) era a mais florescente cidade de Egitânia,(2) a qual foi pátria do famoso rei Vamba.(3) Cobiçada pelos Árabes, várias vezes estes haviam tentado destruir a cidade. E é nesta época que entram em cena os protagonistas da nossa história. São eles: Ildefonso, viúvo, casado segunda vez com uma linda mulher chamada Alberta; Alberta, ambiciosa, péssima madrasta para a pequena Lília, filha de Ildefonso; e, Lília, uma pequenita órfã de mãe, contando apenas dez anos, cuja companhia favorita era o seu cão.(4)

A tarde não era das mais famosas. Nem sol brilhante, nem calor. Uma tarde vulgar num dia mais vulgar ainda.
No terraço da casa de Ildefonso, Alberta, rubra de cólera, gritava para Lília todo o seu desespero.
— És um empecilho! Não serves para nada e só consegues aborrecer-me!
Humilde, Lília desculpava-se:
— Não tenho culpa de que o meu cão a tivesse mordido!
Desesperada, Alberta tornou:
— Mas mordeu! Por isso o odeio!
— Ele só morde naqueles que lhe batem sem razão...
A mulher desesperou-se ainda mais.
— Achas então que não devo bater nesse rafeiro! Pois fica sabendo que esta noite hei-de mandar matar o teu maldito cão!
A pequena Lília agarrou-se aflitivamente ao pescoço do animal, pedindo entre lágrimas:
— Não! Não faça isso ao meu cãozinho! Ele gosta tanto de mim... até chora comigo!
Alberta teve uma gargalhada forçada. E desdenhosamente comentou:
— Pateta! Já se viu um cão chorar ou rir?
Lília, com o rosto banhado em pranto, sentiu-se forte para defender o seu amigo.
— Sim, senhora! Eu vi! Chorou no dia em que a minha mãe morreu! E olhe agora para os seus olhos... Está chorando comigo!
Interrompendo-a, Alberta gritou:
— Cala-te! Não digas mais disparates!
— Mas o meu cão está a chorar, veja!
— Cala-te, já te disse! Senão conto ao teu pai o que se passou: que ele me mordeu e que tu me faltaste ao respeito...
Lília continuava a chorar, suplicando:
— Mas não mate o meu cãozinho, não o mate!... Gosto tanto dele!...
— Hei-de matá-lo! Mordeu-me!
— E a senhora bateu-lhe! Bate-lhe sempre que o vê! O meu pai...
Alberta vociferou:
— Se contas ao teu pai a nossa conversa, mato-te também... como se mata um cão! Ouviste?
Lília então revoltou-se. Mas não gritou.
As lágrimas secaram-se-lhe nos olhos. Sentia-se ofegante e disse apenas, numa voz baixa onde ia todo o seu desprezo:
— Como a senhora é má! Como é má!
Alberta olhou-a uma vez mais com ódio e, num gesto imperativo, ordenou:
— Sai imediatamente da minha vista! E não me perguntes mais pelo teu cão!
Lília obedeceu. Afastou-se, sem pressa, daquela má mulher. O cão rosnou. A pequenita, porém, recomendou-lhe, baixo:
— Não faças barulho! Ela não te há-de matar... Vamos fugir os dois! Vou buscar o merendal...(5) Espera aqui por mim.
O cão acenou com a cauda, como se a tivesse compreendido. Lília voltou depressa. Trazia a merenda e um manto que colocou sobre os ombros. Lado a lado, os dois amigos atravessaram rapidamente a cidade. Lília olhava de vez em quando para trás, a verificar se teria ou não sido descoberta. Mas ninguém os seguia! Para onde iria esconder-se? A pequena olhou o céu, num pedido de protecção. De súbito, o seu olhar descobriu a serra que se elevava lá no fundo, cheia de rochedos e grutas.(6) Teve um sorriso de esperança. Acariciou a cabeça do cão e falou-lhe:
— Vamos! Já temos morada. Vamos subir a montanha!
O cão agitou a cauda, de contente. A sua dona e o ar livre eram tudo para ele!

A noite começava a cair, quando a pequena Lília chegou ao cimo. Agora já não podia voltar para trás. Só tinha um caminho: procurar abrigo seguro. E encontrou-o nas grutas, que mais pareciam fortalezas.
Lília sentou-se, aconchegou o manto, puxou o cão para si, comeram ambos do mesmo farnel, e ambos adormeceram lado a lado.
A noite veio espreitar esse quadro de inocência no alto da montanha. E ficou também ali, até que a aurora veio lembrar-lhe que era tempo de partir. Então a noite foi-se embora, sorrindo aos adormecidos...
No momento preciso em que a noite deu lugar ao dia, Lília sentiu que mão invisível lhe tocava num ombro. Levantou-se sobressaltada, mas o seu cão latiu de contente. A menina olhou em volta. Uma luz azulada cobria a montanha. Ela perguntou ao seu companheiro:
— Viste quem me acordou?
Então, uma voz bonita de mulher chegou aos seus ouvidos, enquanto sobre um rochedo uma senhora envolta num manto branco (7) lhe sorria:
— Lília! Tens de voltar lá a baixo...
A pequena surpreendeu-se. Nunca vira uma senhora tão linda, nem ouvira voz tão meiga. Perguntou, na sua inocência:
— Senhora! Quem sois?
Sorrindo sempre, a dama de branco respondeu, serena:
— Sou do Céu.(8) Nada temas!
Os olhitos de Lília abriram-se mais, numa ingénua curiosidade.
— Se sois do Céu... porque viestes à Terra?
— Para te falar e proteger.
Lília aproximou-se da senhora de branco. A sua vozita soou magoada:
— Sabeis então que ela queria matar o meu cãozinho?
Cariciosamente, a senhora tornou:
— Sei, sim. Mas maior perigo corre agora o teu pai e todo o povo de Egitânia.
Assustada, a menina perguntou:
— Ela quer matá-lo também?
A senhora pousou os seus dedos de luz nos cabelos doirados da menina.
— Não, Lília, não se trata agora da tua madrasta. Refiro-me aos infiéis que estão quase às portas da cidade. O combate vais começar. Dentro de algumas horas Egitânia será destruída pelos Mouros.(9)
O rosto da menina traduziu o seu alarme. Perguntou com ansiedade, na sua voz juvenil:
— E o meu paizinho morrerá?
A senhora volveu:
— Tu poderás salvá-lo.
— Como, senhora?
— Corre lá a baixo à cidade e tenta falar com teu pai. É preciso que ele acredite em ti. O povo terá de reunir tudo o que puder de comida e agasalhos para vir refugiar-se nesta montanha. Compreendes o que te digo? Terão de vir todos para aqui, se querem salvar-se!
A menina acenou com a cabeça em sinal afirmativo. A senhora de branco continuou:
— Repara bem neste local, Lília! Parece uma fortaleza. Aqui os Mouros não conseguirão vencê-los. Poderão destruir a cidade, mas não destruirão os corpos desta gente sã, nem sequer a fé nas suas almas fortes. Vai, pois, Lília, e avisa o teu pai.
A menina, num à-vontade de criança, perguntou ainda:
— Quereis que os traga todos para aqui já?
A senhora respondeu com firmeza:
— Não há tempo a perder! O alarme já se espalhou. Os Mouros preparam-se neste momento para atacar. Vai depressa! Eu te protegerei.
Aflita, Lília pediu:
— Então... tomai conta do meu cãozinho! Não quero que ele volte lá a baixo! Irei sozinha.
Serena, a senhora tornou:
— Lília! O teu cão já não merece preocupações. A esta hora, Alberta, a tua madrasta, chora de horror e julga que a invasão é um castigo do Céu. Porém, os outros não poderiam sofrer por ela! Jamais o céu a castigaria, castigando também inocentes. Vai, e traz essa gente para aqui!
A pequena Lília olhou agradecida para a senhora de branco.
— Vou já a correr!
Depois, com ar duvidoso:
— Posso então levar o meu cãozinho?
A senhora sorriu.
— Leva sem receio o teu cãozinho. Ele ajudar-te-á a encontrar o caminho mais seguro.

Sem mais dizer, a menina começou a correr pela montanha a baixo, acompanhada sempre pelo seu amigo. Quando chegou à cidade, só viu gente correndo como alucinada, de um lado para o outro, soltando lamentos!
A todos perguntava pelo pai. Só ao pai podia transmitir o recado da senhora do Céu. Quando o encontrou, ambos ficaram por um momento estáticos. Foi Ildefonso quem reagiu primeiro:
— Lília! Tu aqui?... Julgava-te em casa dormindo. Vai já ter com a tua madrasta e não saiam para a rua!
A menina olhou-o com firmeza:
— Pai! Preciso dizer-lhe uma coisa!
Ele enfadou-se:
— Estamos em guerra, compreendes? Não os ouves ao longe? São muitos, muitos... dez vezes mais que os nossos homens!...
Lília insistiu, serena:
— Mas a Senhora quer que eu lhe conte o que ela me disse!
— Qual senhora?
— A Senhora do monte, lá em cima...((10)
Ildefonso olhou a filha com perplexidade.
— A senhora do monte?... Mas... que ideia é essa? Estás doente? Tens febre?
— Não. Estou apenas cansada porque vim a correr. A Senhora disse que tinha de vir depressa avisar o pai.
Ildefonso pegou-lhe nos ombros:
— Mas quem é essa senhora?
— A que me apareceu lá em cima esta manhã.
O homem abanou a cabeça. Não entendia o que a filha tentava dizer-lhe.
— Ouve: não tenho tempo para pensar com calma. Tu estiveste lá em cima? Além, nos rochedos?
— Sim, meu pai.
— Porque foste sozinha?
Lília hesitou. Ildefonso gritou quase:
— Responde! Porque foste para lá sozinha?
Olhando o cão que se encostara às suas pernas, como a dar-lhe alento, a menina explicou:
— A minha madrasta queria matar o meu cão e eu fugi ontem com ele.
O pai gritou-lhe, surpreendido:
— Ontem? Mas... então não estavas a dormir quando eu cheguei?
— Tinha fugido com medo!
— Para onde?
— Para o cimo da montanha. Escondi-me nos rochedos. E foi ali que esta manhã a Senhora me falou...
Ildefonso olhou a filha e escutou a algazarra que se aproximava. Baixou-se para lhe falar, olhos com olhos. Não havia tempo a perder.
— Lília! Que te disse essa senhora?
— Que vinha do Céu e que eu devia correr até aqui, para dizer ao pai que fugissem todos...
Ildefonso interrompeu a filha:
— Que fugíssemos? Para eles destruírem tudo?... Creio que não escaparemos... Mas hão-de encontrar-nos pela frente!
Lília insistiu, firme:
— Mas a Senhora diz que ali, nos rochedos, é como se fosse uma fortaleza onde os homens maus não poderão chegar!
Ildefonso levantou-se de súbito. Levou uma das mãos à testa. No seu rosto passou uma expressão quase de triunfo:
— É isso mesmo! Começo a ver claro! Isto foi uma bênção do Céu! A Virgem Mãe de Deus vai ajudar-nos!((11)
Agora, parecia já indiferente à algazarra que se ouvia cada vez mais próxima. Voltou a baixar-se ao nível do rosto de Lília.
— Que mais te disse Ela, filha?
— Que o pai desse esta nova ao povo de Egitânia. Que arranjassem comida e agasalho e fossem todos para a fortaleza da serra!
Ildefonso ergueu-se. No olhar brilhava-lhe uma chama de fé. Murmurou:
— É isso! Louvado seja Deus!
Depois, beijando a filha:
— Meu anjo da guarda! Vai imediatamente a casa e diz à tua madrasta que vá aprontando as coisas, que daqui a pouco irei buscá-las! Vou reunir os meus homens e falar-lhes!
A nova espalhou-se rapidamente. Hinos de louvor subiam ao Céu enquanto o povo de Egitânia — hoje, Idanha-a-Velha — subia ao cimo da serra. E quando o invasor chegou, numerosíssimo, destruindo tudo à sua passagem, ficou pasmado com a ideia dos egitanenses. Tentaram subir também a montanha, mas não conseguiram desalojá-los de tão forte castelo natural.
Na impotência dessa vitória que já chamavam sua, os mouros bradavam, então, uns para os outros: «Gardunha»! «Gardunha»! (12)
E assim era, na verdade. O povo da Egitânia encontrara, pela mão de Deus e da inocência, o melhor refúgio na serra que o cercava. Daí se começou a chamar-lhe — serra da Gardunha. E lá no alto, o povo construiu uma ermida com a imagem duma Senhora envolta num manto branco — a Senhora da Gardunha (13) — num comovente gesto de acção de graças!




Notas e Comentários

(1) - Idanha-a-Velha - Freguesia do concelho e comarca de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco. Está situada na margem direita do rio Ponsul.
  Pode ser considerada, sem dúvida alguma, das mais antigas povoações de Portugal e possui ricos pergaminhos históricos, entre os quais ter sido berço natal do famoso rei dos Visigodos, VAMBA.
  Na verdade, onde hoje se ergue Idanha-a-Velha  situava-se antigamente, segundo investigações históricas, a florescente cidade de Egitânia,  capital dos visigodos.
  Mas do passado pouco resta. A própria catedral de Egitânia, agora abandonada e em ruínas, acabou por ser transformada em cemitério.
  Só a imaginação perdura. A imaginação que não esquece o altaneiro castelo mandado construir por D. Gualdim Pais, grão-mestre da Ordem dos Templários. A imaginação que se orgulha do foral dado por D. Afonso II, na Guarda, no mês de Abril de 1229, foral renovado por D. Manuel cerca de três séculos depois. A Imaginação que atribui a São Paulo a santificação da terra e que diz o famoso S- Pedro de Rates ter pregado em Idanha-a-Velha.
  Já o arqueólogo Félix Alves Pereira escreveu na obra «Ruínas de Ruínas ou Destroços Igeditamos», publicado em 1917: «Idanha-a-Velha pertende ao número de povoações que no solo de Portugal foram outrora importantes, e hoje são perfeitos cadávares de pedra, que o tempo descarna.»

(2) - Egitânia - Está provado que se trata do nome antigo de Idanha-a-Velha, sede episcopal dos Visigodos e, tal como regista a «Enciclopédia Luso-Brasileira», «várias vezes convertida em montões de ruínas por invasores, restaurada por D.Sancho I de Portugal, que a erigiu também em cidadela dos Templários».

(3) - Rei Vamba - Um dos mais poderosos chefes Visigodos. Segundo a tradição, o rei Vamba nasceu na antiga Egitânia.
  Vamba perdeu o seu trono em favor de Ervígio, devida às manhas deste, que lhe deu a beber um líquido soporífero.  Vamba caiu assim num sono tão profundo, que o julgaram morto.  Como mandavam as práticas fúnebres de então, vestiram-no com um hábito de frade e cortaram~lhe o cabelo.  Ora segundo as rigorosas leis dos Godos, o cabelo longo era um dos atributos régios.  E quando Vamba acordou do seu sonho estranho, só teve uma solução: abandonar o trono, cedendo-o ao jovem ambicioso Ervídio.

(4) - O Cão, companheiro da Criança -  Por ter sido talvez o primeiro animal domesticado pelo homem, pois nas cavernas já se encontram vestígios da sua presença - o cão desde sempre é considerado o seu amigo mais fiel.  No «Zend Avesta», um dos grandes monumentos históricos da Humanidade, exista a seguinte frase: «O Mundo subsiste pela inteligência do cão.»
  Especialmente as crianças encontram no cão uma companhia exemplar. Há mesmo um ditado que diz: «Criança e cão fazem união.»
  Por isso não admira que a pequena Lília, tão maltratada pela madastra, buscasse refúgio e consolação junto do seu bom amigo, o cão...

(5) - O Merendal - Significa o mesmo que merenda, mais foi esse o termo que ouvi. E também estaria certo que a garota fosse buscar a sua merendeira, ou seja, o pequeno pão próprio para as merendas.

(6) . A Serra - Frei Francisco de Santiago descreveu assim a Serra da Gardunha: «agregado de jardins pelo vistoso das suas árvores e delicioso das suas fontes, e regatos, adornado de várias flores naturais e de muitas ervas cheirosas».

(7) - Uma Senhora de Branco - Ouvindo contar esta história, lembrei-me muitas vezes do aparecimento da Virgem Maria aos três pastorinho da Cova da Iria, em Fátima. Repare.se na analogia das duas aparições: «Uma Senhora toda de branco»...

(8) - Eu sou do Céu - As palavras da Senhora de Branco, tal  como vêm correndo de geração em geração, mais confirmam a semelhança circunstancial entre os casos de Egitânia e de Fátima, guardadas as devidas proporções. «Eu sou do Céu» é bem uma expressão divina.

(9) - As lutas constantes - Como já referi, a antiga Egitânia era alvo de muitas e diversas ambições. Na época em que a nossa história decorre, os Mouros pretendiam apoderar-se da florescente povoação.

(10) - A Senhora do Monte - Aqui temos mais um designativo de lugar a corroborar o comentário que já fiz neste mesmo volume em circunstâncias análogas. Neste caso específico, ouvi tratar por Senhora do monte, Senhora do alto, Senhora da serra e Senhora da montanha...

(11) - Bênção - A ideia da bênção divina como medidade defesa e protecção é já muito antiga.  Ainda hoje, frequentemente, os sacerdotes dão a sua bênção ao gado, aos campos, às oficinas, aos barcos e às casas.
  Antigamente dizia-se bendição, que depois caiu em desuso para dar lugar à forma mais simples: bênção.

(12) - Gardunha! Gardunha! - Frei Francisco de Santiago descreveu deste modo o prodigioso acontecimento, na sua «Crónica da Província da Soledade»: «...porque no tempo que a famosa cidade de Egitânia, hoje Idanha-a-Velha, uma das mais nobres e poderosas e ainda pátria feliz do santo Rei Vamba...foi destruída e devastada pelos Mouros...os seus moradores e dos seus contornos se acolheram a esta serra como castelo, e presídio forte, donde se podiam defender, e por esta causa lhe ficou o nome de Gardunha, palavra arábica que significa refúgio ou guarda da Idanha; mas entendemos que o sítio, onde se vieram refugiar, e tomar assento os Egitanenses ou Idanheses, foi o que ainda hoje conserva o nome de Gardunha, servindo-se o mais da serra de muro forte contra os Mouros».

(13) - A Senhora da Gardunha - Também o mesmo autor refere e afirma a presença da imagem de Nossa Senhora que ali aparecera à pobre menina e ao cão: «Para a parte ocidental desta serra, no mais alto está um sítio chamado a Gardunha, onde se vê uma ermida com a imagem intitulada à Senhora da Gardunha, tomando o título do sítio.»

Fonte BiblioMARQUES, Gentil Lendas de Portugal Lisboa, Círculo de Leitores, 1997 [1962] , p.Volume I, pp. 395-400 . Place of collectionIdanha-A-Velha, IDANHA-A-NOVA, CASTELO BRANCO
Ver Mais ►

Digite o seu email