«Arrogância e ego do primeiro-ministro de Portugal»

0  ● 17.10.17 0  ● API
Bruno Nogueira criticou a reacção do primeiro-ministro à catástrofe dos fogos:
"Numa altura destas esperava-se muito mais do que uma pose altiva e palavras frias e técnicas".



"Há uma coisa que aos olhos de Portugal afasta António Costa desta tragédia e que deixa um vazio tremendo em quem procura uma palavra de conforto: a arrogância do discurso. O tom condescendente. Numa altura destas esperava-se muito mais do que uma pose altiva e palavras frias e técnicas. Esperava-se mais do que o absolutamente necessário e óbvio visitar das vítimas e dos locais consumidos pelo fogo.

Esperava-se que o primeiro-ministro de Portugal tombasse com quem tombou para dizer que agora nos íamos erguer todos juntos, custe o que custar. Esperava-se que o lado humano espreitasse e nos dissesse que a dor de ver isto tudo é suficiente para baixar por momentos a guarda e falar mais do coração e menos da cabeça.

Palavra que queria ter visto isso nos olhos e nas palavras de António Costa, mas acabei por ver só um político que num momento decisivo deixou que o ego crescesse mais do que as chamas"

Bruno Nogueira

Ler mais ►

"Não é demitir a ministra, é demitir os medíocres todos que o sr. contratou"

0 0  ● API



Hernâni Carvalho aborda o problema dos fogos que este ano já mataram mais de 100 pessoas. E responde ao primeiro-ministro que considerou "um bocado infantil" demitir a ministra: "Não é demitir a ministra, é demitir os medíocres todos que o sr. contratou".
"Faz sentido a Autoridade de Protecção Civil coordenar o combate aos fogos? NÃO!"

Ler mais ►

Dizer que a culpa é das queimadas, é ofender os portugueses

0  ● 16.10.17 0  ● API



José Gomes Ferreira diz que as autoridades e o poder político continuam a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma errada. "A causa dos fogos é haver crime em alta escala! E só não vê quem não quer". Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses". A Ministra da Administração Interna "continua com uma conversa infantil, de dizer que a culpa dos incêndios é dos cidadãos".

veja: Portugal a arder: Um crime organizado de destruição massiva! Estranhamente, o governo teima em falar de falta de limpeza e prevenção, raramente fala em intenção criminosa e nunca admite a hipótese de crime organizado.

Ler mais ►

«Passaram dos afectos de Pedrógão à culpabilização colectiva, a culpa é nossa»

0 0  ● API


Pertenço ao grupo de pessoas que acha que o Estado Social faliu nestes fogos. Que colapsou o liberalismo económico em Portugal, da terra ao combate a fogos. E que a ministra demitir-se é pouco, muito pouco.

De cada vez que algum Governante disse qualquer coisa nas últimas horas foi para abrirmos a boca de espanto - de nos mandarem apagar fogos às férias que não gozaram ao «inevitável» perante mais de 30 mortos ouvimos de tudo. Passaram dos afectos de Pedrógão à culpabilização colectiva e diluída no tempo, da defesa ao ataque, nem desculpas, nem lamentos, a culpa é nossa, dos 10 milhões.

Como é evidente se eu sou tão culpada como os Governos é bom que me deixem tomar decisões - a primeira é chamar o exército em vez de mandar bombeiros voluntários arriscar a vida. A segunda é deixar de financiar a grande propriedade da terra e financiar a pequena agricultura sustentada. A terceira proibir as manchas de eucalipto/pinhal contínuas e em montanha. A quarta - concomitante - é termos serviços florestais e guardas. Amanhã, não são precisos 40 anos.

Qualquer detalhe neste cenário peca portanto por irrelevante, mas pergunto-me: há vários filmes de pessoas a atravessar auto estradas a arder, um deles do meu amigo João Pico que se viu no meio dela com a filha, entre o Porto e Lisboa, as duas principais cidades do país. Ontem escutei-o, creio que na TVI, a contar o episódio infernal. Há mortos em auto-estradas. A pergunta, estas não são concessões privadas? Onde estavam os donos destas quando as pessoas as atravessaram a arder?

Raquel Varela,
historiadora.
* * *

@JMCondeixa
Ler mais ►

«Bacelar de Vasconcelos associou-se a Sócrates» Paulo Morais

0 0  ● API


1.  Pedro Bacelar de Vasconcelos é Presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos Liberdades e Garantias do Parlamento português.

2.  José Sócrates insulta diariamente o Ministério Público e a Justiça portuguesa.

3.  Bacelar de Vasconcelos associou-se a Sócrates, apresentando e promovendo o novo livro de Sócrates. Não havia necessidade...

Paulo de Morais
Ler mais ►